quinta-feira, 28 de junho de 2018

Mogi das Cruzes e a escravidão.

 Muito se discute sobre a escravidão no Ocidente; seus malefícios,povos indígenas que foram dizimados, gerações que perderam suas raízes culturais, Senhores ‘bons’ e ‘maus’, defensores contra e a favor , razões históricas, sociais e econômicas, povos que praticavam, captura,sofrimentos, quantidade, preço, guerras, leis, paladinos de libertação,etc.
Mas perguntas  e respostas  que deveriam ser enfrentadas e consideradas, são: Como povos que proclamam na sua máxima de conduta moral e religiosa de “Amar ao próximo”, capturavam, compravam, vendiam,trocavam, matavam, penhoravam, leiloavam, herdavam, doavam, abandonavam, e castigavam escravos? Como aguardavam com suas consciências tranqüilas – dentro de suas igrejas – alcançar o “Paraíso”, os que possuíam cativos de um a centenas de humanos? Como a praticavam sem o menor constrangimento social, moral, familiar, e religioso.
Os itens listados acima são conseqüências dentro de uma sociedade política-religiosa, com princípios de espoliação escravista no Alto Tiete não era diferente.


Estava , fundamentada e associada a uma concepção religiosa que permite à seus adeptos a livre escravatura; captura e servidão com aval teocrático. Os procedimentos de como capturar escravo, seu preço
comercial, compra – venda, manejo, tratamento, corretivo, uso sexual, destino de prole  filhos e seus descendentes , sua obrigação, sujeição, etc., estão claramente estabelecidas, por absurdo que possa parecer nas cidades do Alto Tietê principalmente em Mogi das Cruzes pois o crescimento significativo de escravos no primeiro período está ligado a um dinamismo provocado principalmente, pela introdução do cultivo e manufatura do algodão e ao aumento da produção de aguardente. 



Porém, no segundo período a reduzida taxa de crescimento vinculava-se principalmente à extinção das peças de panos de algodão das receitas de exportação, que até o final do século XVIII representava o principal produto de exportação. No terceiro período, retomou-se o aumento significativo no número de escravos em função principalmente da introdução e cultivo do café. A economia de Mogi das Cruzes era basicamente agrícola, pois em todos os anos houve a predominância de escravos ligados a esta atividade produtiva, que variou entre 78% em 1801 e 80,5% em 1829. Por outro lado, estava voltada para o mercado interno, uma vez que, na maioria dos anos analisados, os cativos estavam atrelados à agricultura de subsistência, exceto em 1829. Em 1801, 68,93% dos escravos desenvolviam atividades ligadas à agricultura de subsistência, 66,0% em 1818 e 46,0% em 1829. A diminuição da participação dos escravos na agricultura de 6 subsistência, em 1829, está diretamente relacionada à introdução e desenvolvimento do cultivo do café. Em 1818, apenas 1,1% dos escravos trabalhavam no cultivo do café, e 26,6% em 1829. 

Fonte: http://www.abphe.org.br/arquivos/jonas-rafael-dos-santos.pdf

Contato para outras informações
redescobrindoaltotiete@gmail.com
Lembrando que temos o nosso grupo Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

" Da janela frontal da sala de visitas - Rua Navajas " - 2018

A paisagem proposta pelo prefeito Marcos Mello, em janeiro deste ano, em entrevista ao jornal o Diário de Mogi - "A verticalização do...